segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Fui testar o tal ChiRunning

ChiRunningJá há algum tempo, enquanto meu joelho estava ótimo, eu me deparei com um texto sobre o ChiRunning no blog do Rodrigo (Quer correr sem lesões? Experimente o ChiRunning). Achei interessante, apesar de meio doida a técnica - e a idéia em si, pois correr e se machucar são quase sinônimos! -, e fui pesquisar. Alguns vídeos no YouTube depois, somados a outros artigos e um pouco de desconfiança, fui pra rua testar a bagunça toda.

A idéia de correr sem lesões, mesmo que você não esteja lesionado, me pareceu fantástica. Na realidade, tenho pra mim que qualquer atividade física que praticamos irá, de certa forma, machucar o nosso corpo, expondo-o a situações mais difíceis do que ele encararia caso sentássemos no sofá e víssemos TV o dia todo. A consequencia óbvia, porém, é que seu corpo se fortalecerá à medida que se recompõe de cada treino, e no final você será um super homem num corpo de humano! :- )

Voltando ao assunto... Tentei (totalmente desengonçado) correr da forma que o tal ChiRunning propôs, mas a falta de coordenação motora aparente me fez abandonar aquilo e voltar ao meu estado normal. E, de repente, algumas semanas depois, tive um princípio de síndrome na banda iliotibial. Resultado? É claro! Vamos procurar o que houve de errado...

E, daí, após ler muito e ouvir conselhos de treinadores, percebi que "a moda" é mesmo correr com o pé chato, e o corpo tendendo pra frente - ou, com um nome mais pomposo, utilizar a técnica do ChiRunning!

Então fui pra rua novamente, para um treino leve, devagar, e me forçando mais à tal técnica. E não é que, com um pouco de calma, é bacana?!

O fato é que é muito mais natural correr usando a técnica (para quem não a conhece, basta ler o blog do Rodrigo; não vou re-escrever o que ele já fez muito bem!). Mas há um problema: se você está acostumado a correr de outra forma, como era o meu caso, pode ser que uma transição gradual seja mais legal. Afinal, você estará usando, de certa forma, outro grupo de músculos. Ou seja, pode ser que outras lesões apareçam! Maas... isso é a opinião de um atleta amador, e é opinião com base em experiência própria; provavelmente algum fisioterapeuta vai aparecer pra dizer que isso não faz sentido! (Agora arrumei briga com fisioterapeutas, mas não foi por mal! rs...)

Mas é bacana, acho que vale a tentativa. Dei um tempo nas corridas e agora volto, devagar, com treinos de 5 ou 6 km, para medir a febre. E a febre tem estado ótima: no treino de quinta-feira, mantive um ritmo de 4:36min/km; hoje, correndo já mais confortável, consegui 4:28 min/km de média - sem muito esforço. Antes, correndo da outra forma, este era um tempo recorde -  e muito exaustivo!

Falei, falei, e não dei dica nenhuma. Pois é. Não estou aqui pra isso! Se eu der uma dica e alguém se machucar, quem vai pagar o pato? Melhor é procurar uma assessoria de verdade! Mas... caso esteja com preguiça de fazer isso: force o abdomen pra frente, como se alguém o estivesse empurrado, mantendo o resto do corpo na mesma linha do abdomen, tentando pra frente. Isso fará com que seu corpo inteiro se desloque pra frente (tal como a figurinha lá em cima), e o princípio da coisa toda está feito. Só não diga que fui eu quem falei! Abraços, e ponto.

4 comentários:

  1. Já que testou esta, tente também uma corrida descalço. Me impressionei como descalço você simplesmente é forçado a correr de forma mais correta...

    Abraços!

    Rodrigo Stulzer
    transpirando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Rodrigo, eu vi seu post sobre correr descalço (inclusive do calçado lá). Deos me livre! O ChiRunning pelo menos me parecia viável! rsrs... Abraços!

    ResponderExcluir